BK’ – Castelos e ruínas

Por Caio Lima

Uma das principais, senão a principal, funções da arte é emocionar. E emocionar não é fazer chorar, apenas. Acho que o Guardião das Palavras, que vive no Vale das Palavras, deve chorar toda vez que vê um vocábulo tão bonito ser reduzido a algo tão superficial. E o pior, os considerados literatos, intelectuais do mais alto gabarito, são os que mais se utilizam de tal prática. Mas deixemos de lado a intelectualidade e voltemos à arte e ao que nos emociona.

Estou devendo a resenha de “Castelos e ruínas”, do BK’, há quase um ano e meio. E eu realmente tento escreve-la há quase um ano e meio. Mas nunca consegui. E antes que eu comece a falar o porquê, quero que vocês saibam que esse texto pode se aproximar muito mais de um relato que de uma resenha crítica dos “portais de rap”, que prezam por um formato engessado e copiam tudo do estrangeiro, dos formatos de reportagem até os jornalistas incompetentes.

8da4e39437ac3c204a353ac8e90977d1.960x960x1Essa caminhada com o disco começa bem antes de o disco ser lançado. Em outubro de 2015 eu ainda trabalhava, havia acabado de chegar de uma importante viagem e fazia planos ambiciosos com a grana que eu estava ganhando. Não que estivesse tudo bem. Não estava. A Camila, talvez a pessoa que eu mais confie nesse mundo, havia rompido comigo. A Carolina, por quem eu estava fascinado, partiu. As coisas em casa estavam bem esquisitas também, tudo passava por extremos. Eis que surge a Magali, uma menina de 7 anos que enfrentava um câncer no estômago em estágio avançado muito bravamente. A família, sem recursos para manter o tratamento, pedia ajuda. Eu atendi o pedido.

Em questão de meses tudo mudou. No meu “Castelos e ruínas”, as polaridades foram invertidas. O status no trabalho, o dinheiro e a importância que eu dava às coisas certas, dentro do sistema, foram rapidamente minguando. Numa série de sucessivos golpes de realidade, eu passei a priorizar o que me emocionava. Minhas relações melhoraram, consegui extirpar alguns traumas e recebi de presente uma consciência mais tranquila, com a satisfação nas coisas simples ou no que realmente vale a pena.

A Magali morreu no dia 11/03/2016. Não foi um período fácil. Por mais que eu soubesse quão remotas eram as chances de ela resistir, eu não estava preparado para quando acontecesse. Ninguém está, eu acho. Foi um período de caos. Naqueles cinco dias entre a morte da Magali e o lançamento do “Castelos e ruínas”, eu não sabia o que era castelo e o que era ruína ainda. A inversão da ordem natural das coisas nunca fez sentido na minha cabeça, mas ao mesmo tempo eu ainda creio que aquela criança cumpriu seu objetivo aqui neste plano. Os momentos de paz interior e a situação caótica da minha cabeça destravaram uma série de crises de ansiedade. Eu, sempre leitor, não sabia interpretar o que acontecia comigo.

Quando o disco foi lançado, no dia 16, fui ouvir na função de uma pessoa que acompanhou o BK’ desde o começo do começo. Meu mano (e gênio) Gabriel Marinho foi o produtor e me mostrou a guia da primeira gravação do BK’, de 2011, quando ele ainda era o Abebe Bikila e fez participação numa música do Mineiro Treze (https://www.youtube.com/watch?v=HK01xl-dZGg). Já comentávamos entre uma aula e outra sobre o futuro do rap no RJ e BK’ não era apenas mais um nome ventilado, era uma aposta séria.

Engraçado como as histórias se cruzam em linhas extremamente tênues, não?

Pelas resenhas de bar na faculdade, em 2011, até a mixtape do Néctar, “Seguimos na sombra”, em meados de 2015, a evolução e a visibilidade do seu rap foram proporcionais ao seu talento; bem como o boom que existiu com “Castelos e ruínas”. O sucesso pode vir de diferentes formas, não existe receita. Mas não é difícil adivinhar que com o talento e o constante trabalho em prol de evolução, o sucesso, além de natural, seria sólido. Mas esse texto não é sobre o BK’, necessariamente. É sobre como a arte emociona. Não se esqueçam.

Eu não quis ouvir “Visão ampla”, lançada poucas horas antes do disco completo. Esperei de forma solene que o tempo passasse, lento como só o tempo pode ser em meio a crises. São nesses momentos de espera que as verdadeiras transformações internas costumam acontecer, eu acho. A gente vai criando expectativa e se desprende um pouco da realidade, do momento. Começamos a criar um outro mundo, imaginário, que sempre nos é solícito e agradável. Ruim é quando esse mundo se perde em meio à quebra de expectativas e o encanto se rompe. As crises voltam mais intensas e repelem a felicidade de uma forma tão violenta, que se acontecem de forma sucessiva nem Dante conseguiria criar um inferno para tal. Felizmente, esse não foi o caso.

Arte é uma forma de diálogo. E, por mais incrível que pareça, o rap praticado aqui no Brasil desde 2013 carece de MC’s que saibam puxar assunto. Ao ouvir o disco pela primeira vez, eu simplesmente me empolguei. É um baita disco! Para mim, um clássico! E fui ouvir de novo, de novo e mais outras incontáveis vezes. Quão maior era o mergulho dentro do disco, com mais afinco eu estudava o contexto, a técnica, a construção toda. Não demorou muito para que eu tivesse destrinchado o “Castelos e ruínas” do BK’. E adianto que esse não é, definitivamente, um disco simples.

Um momento na programação: não, eu não vou dizer que esse disco foi feito para mim e que me fez mudar de vida. Repito, eu não faço parte dos portais de rap que vocês amam e seguem! Isso é de uma desonestidade com o leitor sem tamanho e, bom, eu sei muito bem o que escrevo e onde quero chegar com isso!

O ponto é que a arte, quando abre o diálogo, engana. Minhas constantes anotações traduziam o meu olhar sobre um disco que estava falando comigo. Eram meus castelos e minhas ruínas anotados. O envolvimento com a arte faz com que olhemos para dentro do nosso próprio universo. E, de imaginário por conta das expectativas criadas, se torna um mundo real. Não, nada melhorou. Mas eu entendi o que era ruína e o que era castelo dentro daquele momento turvo. É bom saber quais armas eu tinha e contra qual inimigo eu estava lutando, é claro. Só que não adiantou muito, já que eu não sabia o que fazer. Entendem como a arte mexe com o emocional e o emocional não quer dizer que seja algo necessariamente bom? Olha só a merda em que eu me meti.

Enquanto eu não achava as respostas para melhorar meu momento, eu seguia ouvindo “Castelos e ruínas” e fazendo um diário das minhas conversas com BK’ e comigo mesmo. Às voltas com uma faculdade que me cansa profundamente (e causa tédio), um trabalho que, além de não me valorizar, ainda atrasava os salários e as demais obrigações da vida adulta, até meus motivos literários giravam em torno dessa pesquisa de campo em mim mesmo. Logo, escrever não era mais uma tentativa de descobrir, e sim mais um motivo.

O disco, como todo bom MC gosta de dizer, é como um livro. E os motivos literários que cercam “Castelos e ruínas” não são tão óbvios assim. Existem muito mais elementos que os simples altos e baixos exemplificados em resenhas por aí e pelo próprio BK’, tentando encurtar entrevistas. Ouçam atentamente. O amor, a morte e as ruas são dúbios, não duplos. Não existem extremos perfeitos que não sejam prisões. A gente demora a entender esse negócio, mas é real. Não adianta ter um castelo que te sirva de prisão. Da mesma forma, ruínas tem seu charme e atraem. Não pelas joias, relíquias ou algo de valor material. Falo da força de uma história a ser contada, recontada e reerguida.

Todo esse processo literário e de interpretação do que eu mesmo anotava dentro de todo o conceito do disco, é transcrito nos meus textos aqui pelo Rede de Intrigas. Essa capacidade de reproduzir ideias dentro de universos próprios, de dialogar com mortos e de me colocar como centro de uma obra sem me apropriar dela.

Mas toda vez que eu tentava escrever sobre “Castelos e ruínas”, travava. Algumas situações são fortes demais para que sejam apenas escritas. Eu anotei tanto, escrevi tanto, li tanto. E simplesmente não conseguia, por quê? A arte me afastou de mim durante muito tempo nesse processo. Meus motivos para escrever não eram pessoais ou românticos, eram fuga. São as peças que a arte prega. Eram meus castelos e ruínas mostrando sua dubiedade na prática. A vida é uma grande obra literária, afinal.

Tanto foi assim que, para vocês terem uma noção, eu cheguei a comprar ingressos para o show do BK’ três vezes e não fui. Isso sem contar as vezes que desistia de ir (pelo menos nessas eu não perdi dinheiro). Eu não estava pronto para me colocar à prova desse jeito. Pior, eu descobri que nunca estaria pronto se não me dispusesse a reerguer a história dessas ruínas que eu tinha nas mãos. É um processo trabalhoso no meio de um ciclo triste, estranho e desgastante. Até descobrir que nunca se sabe se está pronto ou não. Ou você aguenta a porrada, ou sucumbe. A vida não é muito paciente com quem fica se preparando a vida inteira. Já que eu estava no inferno, me dei um abraço.

Foi um longo processo até eu decidir largar toda a minha preparação para a Flip e subir até Petrópolis para, finalmente, assistir um show do BK’ com seu “Castelos e ruínas”. Foi no dia 22/07, não faz muito tempo. Sozinho, apenas bebendo água e tendo que encarar um bando de adolescentes insuportáveis achando que são adultos porque vão numa balada classe média do centro da cidade. Mas nem isso me irritou ou me fez repensar. Eu estava lá para ver o show de “Castelos e ruínas”. E vi. Fiquei no fundo da boate, com uma garrafa d’água, isolado. Não dava para ver tanta coisa do palco, então fechei os olhos. “Sigo na sombra” começou a tocar e as memórias retornaram. Mais uma vez mergulhei nelas. Impossível não me emocionar. Apenas deixei que a clareza do momento fosse bagunçada por todo o processo até conseguir chegar ali.

Um ciclo foi fechado e quando eu coloco “Castelos e ruínas” para tocar, as memórias que habitam minha mente não deixam com que eu me perca mais. Eu não me aproprio da realidade alheia para escrever minha própria história. Acho que não preciso disso mais e dá para perceber por esse texto. Não que eu tenha me encontrado, a busca é um presente vitalício.  É complicado entender a dinâmica da vida e das coisas que você tem que correr atrás. Oportunidade, momento e percepção são coisas que precisam andar juntas, mas tal qual as histórias que se entrelaçam aqui, todas elas são unidas por linhas tênues. Tênues como a linha da vida. Das vidas que se foram e das que ficaram, resta saber o que fazer com o que sobra disso tudo.

Se isso é uma resenha? Claro que é! Leiam com atenção. Tudo o que vocês precisam saber sobre as técnicas que o BK’ usa, eu utilizei ao escrever. O enredo do disco também está aí. Vocês sabem que o disco é um clássico instantâneo. Me ajuda! Aprendam a ler e saiam da bolha, camaradas. Está tudo aí.

Se isso é um relato da minha vida? Claro que é! Não sei o que vocês vão extrair desse texto, porém, pela primeira vez, estou criando a expectativa de que olhem de forma muito diferente para a arte. Se eu não tivesse reconhecido tudo o que havia ao meu redor, a Magali não teria me colocado nessa rota de colisão com minhas próprias crenças e eu não teria feito das minhas ruínas a minha história mais bonita. Sou dono das minhas memórias e construí meu presente através delas. De ruínas para castelos que ninguém é capaz de tocar, mas sempre compartilhados com todos os bons.

Se isso é uma homenagem? Claro que é! Infelizmente não citei todas as pessoas que me ajudaram nesse processo. E muitas das que citei não poderão ver, em especial minha pequena Magali e a Carolina. Mas todos que fazem parte do processo sabem que são contemplados nessas linhas. Foi um processo longo e, bom, quem sabe, sabe.

Finalmente eu estou subindo pro meu nome ser eterno igual pixo.

Descanse em paz, mestre Luiz Melodia.

Ainda bem que não definem – Um tratado sobre lírica

Por Caio Lima

andre-3000-outkast-voodoo-2014-billboard-650

Lírica é uma palavra que vive de extremos dentro do rap. Alguns defendem que todo e qualquer MC deve ser lírico, extremamente poético; outros articulam argumentos defendendo a parte melódica, dizendo que lírica não é o principal numa música, que o certo é ter um compromisso muito mais voltado para o ritmo que para a poesia. O Rede de Intrigas é, essencialmente, um blog sobre literatura e, se vamos tratar sobre rap, é porque ele possui algum valor poético relevante. Portanto, tudo que for discutido aqui será baseado em desdobramentos líricos. Mas, afinal, o que é lírica?

O que conhecemos por lírica começou (adivinhem) na Grécia Antiga. Eram poesias feitas num formato diferente, mais ritmado, podendo ser acompanhadas por flauta ou… lira! Daí o termo “lírica”. A capacidade de comprimir amplos sentidos dentro de versos mais curtos e cantados, despertou o público para uma nova maneira de sentir e consumir poesia. Essa poesia lírica parecia tratar de manifestações mais profundas da condição humana que o habitual, então, naturalmente, novos temas começaram a ter mais espaço dentro do círculo poético grego. Daí à promoção da lírica a um status de algo mais elevado e profundo do que a poesia épica e a poesia dramática, foi um pulo.

Avançando no tempo, os europeus evoluíram o sentido de lirismo. O lirismo torna-se algo sentimental em forma e sentido. Ou seja, quão mais fundo o poeta mergulhasse nos seus próprios sentimentos ao escrever, mais lírico ele seria. E, estando neste extremo sentimental, é claro que a lírica seria utilizada de forma apelativa como recurso para angariar um público que nunca viu seus sentimentos representados. Existe Shakespeare de um lado; e existe algumas críticas a peças/óperas que parecem as críticas que fazemos às novelas daqui em contrapartida. O próprio Shakespeare (se é que ele existiu) foi alvo de críticas parecidas.

Acontece que a lírica não depende só do sentimento para existir. Tudo acontece à base da troca entre o eu-lírico do poeta e o receptor da mensagem. Quando há entendimento e, mais importante, a sensação de que a mensagem do poeta afeta diretamente a condição sentimental/existencial do receptor, existe lírica. A acepção da lírica só pode acontecer quando todas as partes se envolvem emocionalmente com a poesia. Um exemplo claro disso é a quantidade de autores de prosa que estão tentando cativar o público através da prosa-poética. O efeito do sentimento cria alguns laços que são benéficos até para o mercado editorial (fidelização do público, blindar o livro de críticas, etc.), mas o foco desse texto é outro.

A história do movimento hip hop nasce com profundas bases sociais, buscando autoafirmação e engajamento dos guetos. Não existia poetas de ofício, a realidade de quem fazia o movimento acontecer através do rap, no caso, não permitia esse tipo de sonho. Tudo era experimental. Se o MC não conseguisse cativar o público com versos curtos, rápidos, acompanhando o ritmo do DJ e, por fim, cheios de sentimento (mesmo que todo esse sentimento esteja contido num bragadoccious), ele perderia a batalha, a moral, o território e aquilo que você assistiu em “The get down”. Pode soar contraditório dentro do meio poético, mas a competição das batalhas estimulava os MC’s a desenvolverem qualidade lírica.

Autoafirmação é uma palavra mágica para entendermos o que é o rap, e esta existe inserida em contextos sociais e econômicos bastante fortes. Mas da forma como ela é perseguida só o MC compreende, são alicerces muito subjetivos e pessoais. Isso sustenta o rap até hoje. Mesmo que o MC fale apenas sobre a situação política e econômica do país, isso é dado sob uma perspectiva muito pessoal. Existe um aspecto de liderança muito forte dentro da própria poesia que o rap se propõe a fazer, independentemente da questão temática. Essa percepção pessoal do MC sempre foi mais relevante que os próprios dados estatísticos que o mundo ama analisar para tirar suas conclusões.

Entendem como o rap é uma nova maneira de reviver a força da poesia? Não é apenas música. Canta-se muito pouco e fala-se muito dentro de um rap. É sempre alvo de expectativa o que o MC tem para falar, quais sentimentos, ideias e ideais ele quer manifestar/celebrar no momento. Ao mesmo tempo que a voz é música, a voz também emite ideias que são capazes de se conectar com o ouvinte. Retornamos para a base da poesia lírica grega, sacam? Existe uma construção preocupada em fazer com que o ouvinte interaja e sinta com o discurso, mas no lugar das liras temos MPC’s. Ser um MC, portanto, não é apenas fazer música.

Com tudo isso dito, o conceito de lírica ainda é amplo demais tanto na poesia quanto no rap. Mas é assim que deve ser. Eu posso achar que Big Daddy Kane escrevia de forma muito simples se comparado ao que Quavo (Migos) escreve hoje, mas como não levar em conta que essa simplicidade foi um dos alicerces do rap e, mais importante, foi capaz de se comunicar com toda uma geração de forma sólida? Estamos tratando da construção de uma cultura aqui, afinal.

Já que não há maneira de falar o que é lírico ou não, além de toda questão sentimental que o termo “lírica” envolve, o texto acaba por aqui. Não, brincadeira. Continuem lendo.

Todo mundo, sem exceção, já disse alguma vez “essa é minha música”, muito embora essa música nunca tenha sido escrita diretamente para você. Qual a primeira coisa que você faz para explicar que a música é sua? Vai olhar a letra, óbvio. Lendo a letra você faz todas as conexões e confirma que aquela música foi feita para você! Impossível que não tenha sido! Como assim?!?!?!?!

Existe uma iluminação que determinou algo muito importante dentro de toda a abrangência do assunto em questão: a construção lírica. Nós podemos pegar a poesia do cara, quebra-la em todos os pedaços possíveis e tentar encontrar um sentido nisso tudo. Não necessariamente um sentido absoluto. Mas algo que faça sentido para cada um, em particular.

Em movimentos poéticos marginais isso é uma tarefa árdua. Por estar inserido numa rota contracultural, muitos aspectos da poesia são subversivos e internos, e acaso não olhemos com a devida atenção, vários pontos podem vir a escapar à nossa percepção e comprometer o sentido que damos ao registro. Ou seja, a lírica, dependendo de como a poesia é manipulada, produz uma espécie de efeito sanfona que varia de registro para registro; ora ela se conecta automaticamente, ora ela vai se revelando aos poucos. Um terrível jogo de gato e rato.

A própria cultura hip hop contribui para que isso aconteça. As batalhas exigiam que cada MC criasse artifícios poéticos que o identificassem dentre todos os outros. Se não havia conhecimento teórico suficiente para que a poesia fosse elaborada demais, a competição fez com que novas formas de fazer poesia fossem exploradas. Mas não é parecido com o que Allen Ginsberg fez com o Uivo, por exemplo. A poesia surgia de forma crua e, a partir da necessidade de conjugar mais ideias, foram absorvidos elementos a fim de encorpar a mistura, torna-la diferente, única.

A evolução do discurso é tanta que, mesmo sendo uma cultura muito recente e sofrendo os preconceitos naturais de uma atividade marginal, virou cadeira nas maiores universidades americanas e produziu discos que entraram para acervos de grandes bibliotecas, usados como referência em diversos aspectos, inclusive no estudo da famigerada linguística.

Illmatic_Nas.jpg

Por falar em discos que foram para a academia, Nas escreveu a bíblia do hip hop, “Illmatic”, porém não é o MC mais técnico que existe. O ponto é: Nas soube utilizar tudo o que sabia para criar uma conexão tão forte entre seu registro e o receptor da mensagem, que ele conseguiu condensar tudo o que entendemos por hip hop num disco de uma intro e nove faixas (esse é o real sentido de “fazer tanto com tão pouco”). Uma mensagem profunda, colocada com os recursos que ele quis dispor e tudo isso feito com o intuito de fazer as pessoas sentirem. Sentirem o quê? A Nova York vista por Nas, o hip hop, a violência das ruas ou o que quer que seja, não importa. Aí mora a graça da lírica, nesse diálogo. Essa talvez seja a única definição (por mais vaga que seja) de lírica dentro do rap. Unimos à poesia a forma como ela é pronunciada, o clima do beat e tudo isso te abraça. Você só sente a brisa bater e fala: “mano, isso é rap!”

Por isso, mais importante que os recursos técnicos ou linguísticos do MC, é você estar conectado à música como ouvinte. A conexão é o que nos faz definir o que é um som descartável, qual MC é lírico ou dizer que “é um som cheio de referências, legal, porém são referências vazias”. A conexão é o que sobra quando todo o hype passa. Apenas sentar e ouvir um bom rap, sabem como é?

Como toda arte, o rap é responsável por fazer que você sinta. Sentir a mensagem vem antes de tudo. É por isso que Mano Brown nunca sairá de moda, mesmo quando lá no começo ele fazia uns esquemas de rima bem quadrados se comparados as multissilábicas de hoje em dia. Talvez seja exatamente por isso que as pessoas amam Eminem, mesmo com versos aparentemente reprováveis ele oferece um mergulho profundo dentro do que faz (e não é um universo fácil de compreender) e o ouvinte sente essa necessidade de buscar.

Ainda bem que não é possível definir lírica. Imagina alguém vir com um relatório para me dizer o porquê de Kendrick Lamar ser mais lírico que Andre 3000 ou Q-Tip quando eu não acho que seja? Qual base ela teria para definir o que eu devo sentir quando ouço determinado MC? Bizarro, não? E é exatamente essa não definição que seleciona naturalmente o que permanece relevante e o que some com o tempo. É por isso que Run DMC vai continuar fazendo gerações e gerações comprarem Adidas.

My-Adidas.jpg

Galera, logo aqui do lado tem um atalho direto para o nosso sebo no Facebook. Para que o Rede de Intrigas produza mais conteúdo, precisamos girar esses livros. Tem muita coisa boa e num preço bom. Ajudem a gente! 🙂

Anna Akhmátova – Antologia Poética

Por Caio Lima

Eu estava meio chateado com o mês russo. Não pelo fato de fazê-lo, de forma alguma. Mas eu pesquisei tanta coisa diferente para tentar fazer um apanhado da literatura russa como forma de resistência e, ainda assim, alguns pontos me pareciam meio soltos. Fica um vazio chato pra caramba. Eis que eu, procurando ‘O Uivo’, do Allen Ginsberg, despretensiosamente, me deparo com uma tal de Anna Akhmátova. Essa é daquelas coisas que sempre acontecem comigo, de um livro brotar na minha frente e fisgar toda a minha atenção de forma instantânea. E é por isso que eu não consigo realizar desafios grandes de leitura. É complicado, mas é algo muito feliz. Com a ‘Antologia Poética’ da Anna foi muito mais que feliz. Passou a sensação de vazio. Na verdade, se eu postasse um poesia dela por dia ao longo desse mês, vocês todos teriam a noção perfeita do que é literatura de resistência.

Na Rússia efervescente daqueles tempos, algumas mulheres conseguiram certo destaque, mas sempre ofuscadas por seus pares homens. É como se cada tentativa de produzir uma obra que tivesse a mesma qualidade de um Púchkin, habitasse a sombra do pai da literatura russa como uma assombração. As comparações eram inevitáveis e aí apareciam aqueles dedos apontados acusando falta de originalidade e a infinidade de argumentos que uma sociedade patriarcal usa para destituir o poder de mulheres que ousam exercer qualquer voz num contexto social (percebem alguma semelhança?). Eu ressalto o argumento da “falta de originalidade”, porque veja bem que merda era tentar ser escritora àquela época: qualquer coisa que você escrevesse, homens já teriam feito melhor do que você. Imagina quantas autoras russas não nos são ofertadas justamente porque suas obras foram julgadas como não-originais.

É nesse bosque das ilusões que Anna Akhmátova desenvolve toda a sua obra e se torna um expoente quase que metafísico da literatura russa. E isso, talvez, tenha acontecido porque sua poesia é um reflexo não só de sua forma de pensar, das suas dores e da sua visão de mundo. É bem maior que isso. Na poesia de Anna, habitam suas ações. Ler Anna Akhmátova é estar com Anna Akhmátova. É compartilhar de seu tempo. É exercitar a empatia na sua forma mais básica e verdadeira.

A vida de Anna Akhmátova é uma loucura só. Ela se casou três vezes e se separou três vezes, perdeu o filho preso e morto pelo serviço secreto russo, foi condenada ao exílio, passou fome, não teve onde cair morta, sentiu de forma muito vívida as duas guerras mundiais, sofreu censura da polícia política soviética e por isso, além de ter boa parte das suas obras impedidas de serem publicadas durante um bom tempo, teve que regular na caneta para continuar escrevendo, já que ela nunca aceitou fazer a arte partidária que o governo soviético impôs à época e só lá no fim da vida, após o abrandamento da censura, suas obras foram relançadas e ela pôde desfrutar de todo o frenesi que sua literatura foi capaz de causar à Rússia. Ufa!

Diante disso tudo, Anna Akhmátova teve a oportunidade de sair da Rússia e ir para um exílio em algum país mais quente, mais liberal e menos perdido na maneira própria e quase única de criar inimigos. Mas ela decidiu ficar e isso tem um efeito no imaginário do povo muito grande. Releia o parágrafo acima e me responda uma coisinha: se fosse você que tivesse sofrido isso tudo, você ainda pensaria que deve alguma coisa ao teu povo, ou teu país, de uma maneira geral? Tem que ter muita resiliência, paciência, proficiência, malemolência, criatividade para sair da crise e todos os outros tópicos enumerados por palestrantes de auto ajuda e livros de como se dar bem nos negócios.

Eu estou aqui divagando pela vida da Anna Akhmátova não é por falta de assunto, é que essa é a poesia dela mesmo. Ela escreve sobre a vida, sobre a realidade dela, sobre o que viu, o que sentiu e sobre a Rússia. Sem precisar apelar para o substrato do subconsciente em subatividade. É seco, reto e à flor da pele. Isso não quer dizer que ela não abuse da técnica. Mas, na real, quem quer saber de técnica quando essa mulher tá falando? É leitura e sentimento. É sentimento na caneta. É literatura como forma de propagar mensagem. É a mensagem que se transforma em resistência.

Alguns preferem chama-la de Púchkin mulher, outros de mãe da literatura russa. Mas acho que é muito cabível que aprendamos, de uma vez por todas, que ela é Anna Akhmátova. Sem comparativos e superlativos. Sua poesia não necessita disso. E, pensando um bocado, nem eu, nem você, nem ninguém. Você transgride, eleva o patamar, abre espaço para milhões de vozes e dá conforto e carinho para todo um povo através da sua poesia, que nada mais é do que um retrato das próprias ações. O mais importante é que ela me faz acreditar que eu posso fazer isso também e olha eu aqui, todo bobo, tentando explicar para vocês o porquê do mês russo não parecer vazio.

 

Michel Deguy – A Rosa das Línguas

Por Caio Lima

Se você nunca leu Michel Deguy na vida, não passe mais tempo sem ler. O cara é sublime. Mas aqui a gente se arrisca na mariola da peteca e tenta fazer diferente. Então, me diz, por que não resenhar um livro de poesia fazendo uma? Bugou a mente aí? Faz favor e dá um confere aqui.

Dá margem ao que te faz leve

Dê tempo para que o tempo (re)leve

Das cinzas do centro

Em forma de espiral que

Cai e envolve o mundo

Caiu dentro de si

Refletiu sobre tudo

E todos os passageiros

Que se revezam na busca

De um destino comum

Nessa vida não há espaço para

Ser apenas um por um

Si para si, causa

Encurte as distâncias e grite

Mais alto, até que seus pulmões

Explodam

Aproxime-se do real para que pareça frívolo

E torne triste o mendigo que goza da liberdade como o

Maior dos bens

Malditos sejam os que espalham

Sua métrica através dos

Tempos e soltam gritos de

Socorro

Que só a arte escuta sem que

Tantos o compreendam.