Review lírico: Djonga – Heresia

Por Caio Lima

3dd6d0778de4353c88e1ed12eb5f0557.960x960x1

A concepção de um projeto é um mundo à parte. Tentar compreender o disco dentro do que está registrado pelo MC e do que eu sinto, é mergulhar nesse mundo e permitir que as ideias e pensamentos fluam livremente. Por isso não acredito em resenhas que saem após uma semana do lançamento do disco, principalmente se é de um MC que tem consistência e relevância líricas.

Se me dissessem que após dois meses de lançado o álbum Heresia sumiria tão rápido das discussões de internet, eu não acreditaria. Não é um sumiço do tipo “ninguém fala mais sobre”. As pessoas falam, mas o que mais se vê é: “é bom, mas está abaixo do que eu esperava” ou “ele manda bem, mas é muito repetitivo nas referências e punchlines, sempre com o mesmo flow e isso cansa” ou “não entendi o porquê do Djonga ter feito um álbum tão rápido e lançado assim, seria melhor se tivesse lançado um Castelos & Ruínas (BK’) mesmo demorando mais tempo”.

Quando pensamos sobre arte, não me parece ser agradável tornar-se senso comum. Principalmente quando você lança um álbum. Mais ainda quando você lança seu primeiro álbum e enxerga o hype mudar de direção de forma bastante brusca. O Djonga continua sendo o Djonga, porém, o hype criado em torno da imagem do Djonga vem acompanhado de expectativas dentro de um universo fechado, de um padrão. E, se o MC decide sair desse universo, o peso desse senso comum ainda fala mais alto entre o público. Mais alto do que a própria arte. O que me fez refletir sobre o que representa Heresia.

Djonga aproveitou o status de revelação que conquistou e, ciente do impacto que causou na cena, acelerou o processo para fazer seu disco solo antes mesmo de qualquer trabalho fechado com seu grupo de origem, o DV Tribo (leiam com a voz da Clara Lima). É uma jogada de risco. Mas big playaz assumem riscos, certo? Não é um disco perfeito. Não vejo que esse disco tenha nascido para ser perfeito. Ele mais me parece uma transição de ciclos de uma mente que ainda não assimilou exatamente tudo o que é capaz de fazer.

Eu notei a repetição de algumas técnicas de escrita ao longo do disco e, sinceramente, não me incomodou. Também não acho que o tom do disco foi tão monocórdio quanto falam. Heresia está muito longe de ser algo reto. Djonga tem boas alterações de flow, na maior parte do tempo bastante sutis, priorizando a construção da ideia. É uma questão de escolha, pura e simplesmente. Se lançado em 2015, ninguém usaria o excesso de punchlines para justificar qualquer desagrado com a obra. Me preocupa esse zelo pela parte técnica de quem nunca escreveu uma linha ou pior, de quem não tem propriedade sobre o que escreve.

Temos um disco de papo reto aqui. Não tem um bate-cabeça igual “Vida lixo” ou qualquer coisa mais dançante. Nem o que seria uma lovesong é uma lovesong de verdade. São faixas conflituosas, confusas, com “excesso de informação”, profundas e muito bem escritas. Sim, isso é possível. Talvez não seja explicável, mas é possível.

O que é memorável nesse disco, também é o que não o dá o status de perfeito, tornando a análise ainda mais desafiadora. Durante todo o processo de escrita Djonga quer se mostrar preparado para encarar um novo ciclo de sua vida; como pai, referência dessa nova geração de MC’s ou exercendo algum tipo de ativismo, por exemplo. Isso fica muito claro nas letras mais lineares, ou não tão conflituosas, que o disco possui: Corre das notas, Santa ceia e O mundo é nosso. Aqui ele dá passos à frente e assume com autoridade sua postura em cada aspecto que aborda.

Porém, ele não consegue fechar o ciclo em que suas ações se concentravam antes de aparecer como Djonga, o MC, de fato. Djonga não é um alterego do Gustavo, não podemos dividir as coisas assim (o que tornaria tudo mais simples). Existe um processo de transição conturbado aqui. Talvez uma transição que, mesmo após o disco lançado, não tenha sido concluída completamente.

Fora as três músicas supracitadas e o interlúdio do FBC, que é genial (!!!), todas as outras faixas giram em torno desse entreciclos que Djonga, ao que me parece, vivia enquanto compunha e produzia seu disco. São músicas com altos e baixos, que vão revezando a forma de tratar a passagem do tempo e tem cortes muito bruscos. O refrão de Geminiano ilustra bem o que é essa transição do Djonga: “Na real, se era pra ser/Ou não/Não quero ela por perto/Só que não quero ela longe, não/Na real, se era pra ser/Sei não/Não quero ela por perto/Difícil é querer ela longe, irmão”.

Não é o efeito do duplo que mora nessas linhas. São manifestações confusas de alguém que sabe que precisa mudar, porém não sabe a medida da mudança que precisa fazer, sacam? Um exemplo claro disso é continuar a analisar como Djonga trata seus relacionamentos com mulheres durante o disco. Algumas faixas agressivas, outras onde ele é mais condescendente. O equilíbrio entre essas tratativas, a maneira certa de abordar sem perder sua identidade; é profunda demais essa parada. E confusa. São manifestações que se ramificam sobre qualquer aspecto que ele abordou no Heresia, do racismo até o rap game.

A segurança de reconhecer ser dono de um potencial enorme, mas não saber até onde esse potencial pode ser destravado e, mais importante, onde esse potencial pode leva-lo. Isso não causa em vocês a sensação de precisar decidir? A necessidade de se posicionar de forma enfática? É dentro de conflitos assim que nascem as outras faixas do disco; como Esquimó, a melhor do disco e uma das melhores músicas do ano de longe.

Quanto às referências, punchlines e o estilo desbocado de rimar, esse é o estilo do cara. Não vou ficar analisando a capa do disco ou as vezes que ele cita Racionais. O Genius está aí exatamente para satisfazer essa ânsia de vocês. Só acrescento uma coisa: todo esse emaranhado de referências cai sobre a própria personalidade do Djonga. Se não fosse por isso, nenhuma delas faria sentido.

Entre a confusão e a conclusão, Heresia é grandioso. Retrata uma fase muito singular do artista e, principalmente, da pessoa. Revelar o emaranhado dos seus pensamentos é um ato de coragem numa cena que cresce cheia de pessoas que não se colocam em xeque. E como o próprio Djonga diz: “Aquele cheque precisa ser assinado/Quem tá com a moral em xeque, precisa ser perdoado”. Não há mal nenhum em ser quem é, mesmo que você não saiba que caminhos tomar. Grandes jogadas são feitas por grandes jogadores. Passem a 10 para ele.

Galera, aqui do lado, logo abaixo do nome, estão os links das nossas redes sociais. Nos sigam! Também tem o link pro Sebo Rede de Intrigas, projeto importante para que o Rede de Intrigas possa trazer mais conteúdo para vocês. Nos ajudem!

Ainda bem que não definem – Um tratado sobre lírica

Por Caio Lima

andre-3000-outkast-voodoo-2014-billboard-650

Lírica é uma palavra que vive de extremos dentro do rap. Alguns defendem que todo e qualquer MC deve ser lírico, extremamente poético; outros articulam argumentos defendendo a parte melódica, dizendo que lírica não é o principal numa música, que o certo é ter um compromisso muito mais voltado para o ritmo que para a poesia. O Rede de Intrigas é, essencialmente, um blog sobre literatura e, se vamos tratar sobre rap, é porque ele possui algum valor poético relevante. Portanto, tudo que for discutido aqui será baseado em desdobramentos líricos. Mas, afinal, o que é lírica?

O que conhecemos por lírica começou (adivinhem) na Grécia Antiga. Eram poesias feitas num formato diferente, mais ritmado, podendo ser acompanhadas por flauta ou… lira! Daí o termo “lírica”. A capacidade de comprimir amplos sentidos dentro de versos mais curtos e cantados, despertou o público para uma nova maneira de sentir e consumir poesia. Essa poesia lírica parecia tratar de manifestações mais profundas da condição humana que o habitual, então, naturalmente, novos temas começaram a ter mais espaço dentro do círculo poético grego. Daí à promoção da lírica a um status de algo mais elevado e profundo do que a poesia épica e a poesia dramática, foi um pulo.

Avançando no tempo, os europeus evoluíram o sentido de lirismo. O lirismo torna-se algo sentimental em forma e sentido. Ou seja, quão mais fundo o poeta mergulhasse nos seus próprios sentimentos ao escrever, mais lírico ele seria. E, estando neste extremo sentimental, é claro que a lírica seria utilizada de forma apelativa como recurso para angariar um público que nunca viu seus sentimentos representados. Existe Shakespeare de um lado; e existe algumas críticas a peças/óperas que parecem as críticas que fazemos às novelas daqui em contrapartida. O próprio Shakespeare (se é que ele existiu) foi alvo de críticas parecidas.

Acontece que a lírica não depende só do sentimento para existir. Tudo acontece à base da troca entre o eu-lírico do poeta e o receptor da mensagem. Quando há entendimento e, mais importante, a sensação de que a mensagem do poeta afeta diretamente a condição sentimental/existencial do receptor, existe lírica. A acepção da lírica só pode acontecer quando todas as partes se envolvem emocionalmente com a poesia. Um exemplo claro disso é a quantidade de autores de prosa que estão tentando cativar o público através da prosa-poética. O efeito do sentimento cria alguns laços que são benéficos até para o mercado editorial (fidelização do público, blindar o livro de críticas, etc.), mas o foco desse texto é outro.

A história do movimento hip hop nasce com profundas bases sociais, buscando autoafirmação e engajamento dos guetos. Não existia poetas de ofício, a realidade de quem fazia o movimento acontecer através do rap, no caso, não permitia esse tipo de sonho. Tudo era experimental. Se o MC não conseguisse cativar o público com versos curtos, rápidos, acompanhando o ritmo do DJ e, por fim, cheios de sentimento (mesmo que todo esse sentimento esteja contido num bragadoccious), ele perderia a batalha, a moral, o território e aquilo que você assistiu em “The get down”. Pode soar contraditório dentro do meio poético, mas a competição das batalhas estimulava os MC’s a desenvolverem qualidade lírica.

Autoafirmação é uma palavra mágica para entendermos o que é o rap, e esta existe inserida em contextos sociais e econômicos bastante fortes. Mas da forma como ela é perseguida só o MC compreende, são alicerces muito subjetivos e pessoais. Isso sustenta o rap até hoje. Mesmo que o MC fale apenas sobre a situação política e econômica do país, isso é dado sob uma perspectiva muito pessoal. Existe um aspecto de liderança muito forte dentro da própria poesia que o rap se propõe a fazer, independentemente da questão temática. Essa percepção pessoal do MC sempre foi mais relevante que os próprios dados estatísticos que o mundo ama analisar para tirar suas conclusões.

Entendem como o rap é uma nova maneira de reviver a força da poesia? Não é apenas música. Canta-se muito pouco e fala-se muito dentro de um rap. É sempre alvo de expectativa o que o MC tem para falar, quais sentimentos, ideias e ideais ele quer manifestar/celebrar no momento. Ao mesmo tempo que a voz é música, a voz também emite ideias que são capazes de se conectar com o ouvinte. Retornamos para a base da poesia lírica grega, sacam? Existe uma construção preocupada em fazer com que o ouvinte interaja e sinta com o discurso, mas no lugar das liras temos MPC’s. Ser um MC, portanto, não é apenas fazer música.

Com tudo isso dito, o conceito de lírica ainda é amplo demais tanto na poesia quanto no rap. Mas é assim que deve ser. Eu posso achar que Big Daddy Kane escrevia de forma muito simples se comparado ao que Quavo (Migos) escreve hoje, mas como não levar em conta que essa simplicidade foi um dos alicerces do rap e, mais importante, foi capaz de se comunicar com toda uma geração de forma sólida? Estamos tratando da construção de uma cultura aqui, afinal.

Já que não há maneira de falar o que é lírico ou não, além de toda questão sentimental que o termo “lírica” envolve, o texto acaba por aqui. Não, brincadeira. Continuem lendo.

Todo mundo, sem exceção, já disse alguma vez “essa é minha música”, muito embora essa música nunca tenha sido escrita diretamente para você. Qual a primeira coisa que você faz para explicar que a música é sua? Vai olhar a letra, óbvio. Lendo a letra você faz todas as conexões e confirma que aquela música foi feita para você! Impossível que não tenha sido! Como assim?!?!?!?!

Existe uma iluminação que determinou algo muito importante dentro de toda a abrangência do assunto em questão: a construção lírica. Nós podemos pegar a poesia do cara, quebra-la em todos os pedaços possíveis e tentar encontrar um sentido nisso tudo. Não necessariamente um sentido absoluto. Mas algo que faça sentido para cada um, em particular.

Em movimentos poéticos marginais isso é uma tarefa árdua. Por estar inserido numa rota contracultural, muitos aspectos da poesia são subversivos e internos, e acaso não olhemos com a devida atenção, vários pontos podem vir a escapar à nossa percepção e comprometer o sentido que damos ao registro. Ou seja, a lírica, dependendo de como a poesia é manipulada, produz uma espécie de efeito sanfona que varia de registro para registro; ora ela se conecta automaticamente, ora ela vai se revelando aos poucos. Um terrível jogo de gato e rato.

A própria cultura hip hop contribui para que isso aconteça. As batalhas exigiam que cada MC criasse artifícios poéticos que o identificassem dentre todos os outros. Se não havia conhecimento teórico suficiente para que a poesia fosse elaborada demais, a competição fez com que novas formas de fazer poesia fossem exploradas. Mas não é parecido com o que Allen Ginsberg fez com o Uivo, por exemplo. A poesia surgia de forma crua e, a partir da necessidade de conjugar mais ideias, foram absorvidos elementos a fim de encorpar a mistura, torna-la diferente, única.

A evolução do discurso é tanta que, mesmo sendo uma cultura muito recente e sofrendo os preconceitos naturais de uma atividade marginal, virou cadeira nas maiores universidades americanas e produziu discos que entraram para acervos de grandes bibliotecas, usados como referência em diversos aspectos, inclusive no estudo da famigerada linguística.

Illmatic_Nas.jpg

Por falar em discos que foram para a academia, Nas escreveu a bíblia do hip hop, “Illmatic”, porém não é o MC mais técnico que existe. O ponto é: Nas soube utilizar tudo o que sabia para criar uma conexão tão forte entre seu registro e o receptor da mensagem, que ele conseguiu condensar tudo o que entendemos por hip hop num disco de uma intro e nove faixas (esse é o real sentido de “fazer tanto com tão pouco”). Uma mensagem profunda, colocada com os recursos que ele quis dispor e tudo isso feito com o intuito de fazer as pessoas sentirem. Sentirem o quê? A Nova York vista por Nas, o hip hop, a violência das ruas ou o que quer que seja, não importa. Aí mora a graça da lírica, nesse diálogo. Essa talvez seja a única definição (por mais vaga que seja) de lírica dentro do rap. Unimos à poesia a forma como ela é pronunciada, o clima do beat e tudo isso te abraça. Você só sente a brisa bater e fala: “mano, isso é rap!”

Por isso, mais importante que os recursos técnicos ou linguísticos do MC, é você estar conectado à música como ouvinte. A conexão é o que nos faz definir o que é um som descartável, qual MC é lírico ou dizer que “é um som cheio de referências, legal, porém são referências vazias”. A conexão é o que sobra quando todo o hype passa. Apenas sentar e ouvir um bom rap, sabem como é?

Como toda arte, o rap é responsável por fazer que você sinta. Sentir a mensagem vem antes de tudo. É por isso que Mano Brown nunca sairá de moda, mesmo quando lá no começo ele fazia uns esquemas de rima bem quadrados se comparados as multissilábicas de hoje em dia. Talvez seja exatamente por isso que as pessoas amam Eminem, mesmo com versos aparentemente reprováveis ele oferece um mergulho profundo dentro do que faz (e não é um universo fácil de compreender) e o ouvinte sente essa necessidade de buscar.

Ainda bem que não é possível definir lírica. Imagina alguém vir com um relatório para me dizer o porquê de Kendrick Lamar ser mais lírico que Andre 3000 ou Q-Tip quando eu não acho que seja? Qual base ela teria para definir o que eu devo sentir quando ouço determinado MC? Bizarro, não? E é exatamente essa não definição que seleciona naturalmente o que permanece relevante e o que some com o tempo. É por isso que Run DMC vai continuar fazendo gerações e gerações comprarem Adidas.

My-Adidas.jpg

Galera, logo aqui do lado tem um atalho direto para o nosso sebo no Facebook. Para que o Rede de Intrigas produza mais conteúdo, precisamos girar esses livros. Tem muita coisa boa e num preço bom. Ajudem a gente! 🙂