Abasse Ndione – A vida em espiral

Por Caio Lima

Capa RádioLondres_Avidaemespiral_AbasseNdione.jpgMuitos defendem que um livro nunca deve ser analisado politicamente. É uma visão purista da literatura e eu até concordo em partes. Acho interessante se apegar apenas à arte. É bonito. Imaginem ter propriedade, tempo e oportunidade de analisar literatura apenas pelo valor literário. Porém, esse não é o caso do Rede de Intrigas.

Recortar a filosofia a fim de esvaziar o sentido original da teoria e/ou prática e moldá-las ao seu bel prazer é uma das especialidades políticas ocidentais mais apuradas e a primeira forma de corrupção possível. É visível, também, que as tradições ou quaisquer aspectos culturais de um povo, ocupam cadeiras muito frágeis ante o fenômeno político ocidental, tornando inviável a existência de uma alternativa ao “prato feito” político que nos é servido.

Foi lá na Grécia Antiga que toda noção de vida pública e privada ocidental surgiu, basicamente. E, bom, qualquer teoria política que conhecemos busca elementos da filosofia grega para justificar seus pontos. O “mito da caverna” talvez seja o exemplo mais claro desse alicerce filosófico helênico. Porém, ele só existe por ser uma defesa à aristocracia filosófica. Sim, Platão era um crítico ferrenho da democracia e acreditava que existiam pessoas (filósofos, no caso) destinadas a guiar a massa para práticas e organização harmônicas. Mas se “mito da caverna” é uma crítica ferrenha à democracia e uma defesa da monarquia filosófica, seria, então, uma falácia muito grande utilizar Platão para reforçar princípios do estado democrático de direito ou a defesa da libertação do homem através do conhecimento. Triste, né?

E então, saltamos no tempo e chegamos ao Senegal de Abasse Ndione, escritor de “A vida em espiral”, em meados de 1980. O melhor em analisar a história é a liberdade. A semelhança entre a Grécia de Platão e o Senegal de Abasse Ndione não é tão bizarra assim e, sinceramente, Abasse poderia ter nascido na Grécia daqueles idos. A crítica ao sistema democrático senegalês é tão sutil quanto profunda, e passível de diferentes interpretações.

Amuyaakar Ndooy, o personagem central do livro, poderia continuar sua vida de taxista, cuidando da mãe, da irmã e da filha, e se reunindo com seus quatro amigos para fumar yamba (maconha) escondido. Porém, numa dessas oportunidades únicas na vida, Ndooy consegue uma boa quantidade de yamba bem quando o Estado está criminalizando seu uso, tornando o produto escasso no mercado. Ndooy decide, então, empreender e mergulhar no tráfico, se tornando um sipikat (traficante). Grana alta, fumo à vontade e poder.

O mundo como ele é faz com que o tráfico pareça enfrentamento político, porém não é bem assim. Conforme Ndooy avança nos negócios e se aproxima das esferas mais altas da sociedade senegalesa, ele entende que o tráfico de yamba (bem como qualquer ilegalidade) é benéfico para a manutenção do sistema e distribuição de poderes no seu país. Uma coisa fica bem clara durante a leitura do livro: a lei não atinge uma parcela de pessoas – os criadores/financiadores das leis.

As leis, como conjunto normativo para uma sociedade, podem ser injustas por natureza. Não é difícil validar exemplos de como leis podem funcionar para garantir privilégios, a escravidão é um exemplo bem claro disso. O link entre uma realidade marginal e a validação do que é legal e o que não é, é um primeiro passo para, mais uma vez, ampliar a discussão para um embate cultural. Resoluções políticas ampliam a distância entre cultura e justiça. Os efeitos são aterradores.

Isso é agravado em um país que dança conforme a música tocada em outras terras. É difícil ser politicamente estável quando as pessoas estão perdidas entre o que lhes é imposto e o que é herança. Muletas culturais nunca aproximam o país colonizado da amplitude de perspectiva, da plenitude do indivíduo – senão o “mito da caverna” não seria usado até hoje (em toda sua subversão de sentido) para defender conceitos democráticos.

“A vida em espiral” é um livro sobre a vida de um traficante? É, mas não é. O livro é uma apologia ao tráfico? Definitivamente, não. A tônica do livro é contestar o sistema, mas não de uma forma convencional. A manobra de Abasse Ndione ao montar o livro é o que separa bons autores de excelentes autores.

Existe uma força ancestral que move Ndooy ao longo do livro. Isso pode passar batido pelo leitor, mas a força está lá, sempre reforçada pela narrativa de Abasse através das recorrentes expressões no dialeto wolof (yamba e sipikat são exemplos disso), típico de uma das tribos que fazem parte do Senegal; ou pela maneira, o lugar, o fornecedor e o clima onde Ndooy busca o yamba. Todo enredo tem uma aura de um Senegal que parece não mais existir. Contudo, essa ancestralidade é a responsável por carregar Ndooy na sua perigosa carreira. Por isso o livro não retrata o simples embate entre tráfico versus sistema. A resistência proposta por Abasse Ndione é cultural.

A raiz cultural dessa Senegal exposta por Abasse Ndione é sólida e mágica. Não existe falácia filosófica que a corrompa. Ser algo sólido já pode ser considerado mágica nessa sociedade pós-moderna, mas a magia é algo maior e foge ao entendimento do leitor. Não por Abasse não conseguir explicar, é vívida a aura que circunda o livro. A questão é compreender a abrangência da cultura.

Descobrir e viver a cultura senegalesa é completamente diferente de defender que toda essa diversidade cultural seja respeitada. Pode-se seguir outras doutrinas, é normal que haja essa liberdade. Mas “A vida em espiral” mostra que apenas quem vive a sua cultura é capaz de falar com propriedade por ela, da mesma forma que é responsável pela sua manutenção e perpetuação. Retirar ou reduzir drasticamente a cultura de um povo, impondo seus métodos e práticas embasados em verdades absolutas sobre modernidade, globalização e a irmandade entre as nações é uma atrocidade.

Afinal, o que seria de um povo que respeita suas raízes e é organizado politicamente? Se você chutou “livre”, acertou. Então porque esses países não se reconhecem culturalmente dentro de um sistema político conhecido? Porque são criados numa base filosófica corrupta. Isso inviabiliza que a expressão “dar certo” seja usada numa frase que contenha “sistemas políticos ocidentais”, mesmo nos países europeus.

Não é aceitável a elevação de uma “nação colonizada” a um status de “nação livre” sob qualquer aspecto, mas a ferida que mais sangra é a ferida cultural. Delinear traços culturais próprios (e progredir por meio deles) torna o homem pleno, dono de si. Com raízes sólidas, muito bem estabelecidas, nada que possa vir do externo é capaz de machucar. Conceitos como justiça são moldados pela equidade social e são consenso, todos defendem a liberdade de todos. A cultura, como modo de vida aplicado, é ampla demais para que alguém não tenha sua cobertura.

É bem verdade que a sutileza de Abasse dá o raso para um leitor menos atento, podendo parecer apenas mais uma história de polícia e ladrão ou, como alguns críticos apontaram, uma apologia ao tráfico. A distorção de uma realidade periférica como apologia já denota o que é o sistema e como ele molda o pensamento do colonizado. O traficante de Abasse, Amuyaakar Ndooy, nada mais é do que uma peça dentro do sistema. Uma peça que cresce, vê as coisas acontecerem e consegue sair.

Resistir culturalmente não é ativismo político por cultivar pautas minoritárias, por usar uma peça de roupa característica ou por incluir um tambor dentro de uma música que você faz. Claro, tudo isso é importante. São símbolos e resoluções que devem ser discutidos e usados com orgulho. Porém, é necessário se fazer maior que o material quando se fala em resistência cultural.

Resistência cultural é ativismo político porque a cultura alça o homem a sua plenitude. E o homem que sabe de onde veio, que sabe para onde vai e que é capaz de reconhecer e abrir espaço para o próximo, é muito mais efetivo em criar um ambiente que se desenvolva de forma saudável e harmônica que qualquer teoria presa em livros de ciência política, jornais de televisão e conspirações de guerra. Fecho com os versos de Marcelo D2: “Eu luto e não me rendo/Caio e não me vendo/Não recuo nem em pensamento/Sigo em movimento, que para mim é natural/De resistência cultural”.

Galera, aqui do lado estão os ícones das nossas redes sociais. Nos sigam e passem lá no Sebo Rede de Intrigas para nos dar uma força (e garantir uns livros num bom preço hehehe). 

 

John Steinbeck – A Pérola

Por Caio Lima
Corrupção – substantivo feminino
  1. deterioração, decomposição física de algo; putrefação.
  2. modificação, adulteração das características originais de algo.
  3. fig. depravação de hábitos, costumes etc.; devassidão.
  4. ato ou efeito de subornar uma ou mais pessoas em causa própria ou alheia, ger. com oferecimento de dinheiro; suborno.
  5. uso de meios ilegais para apropriar-se de informações privilegiadas, em benefício próprio.

Corrupção. Kino era pobre de tudo, menos de espírito. Um grande homem, com milhares de valores e mantenedor, à duras penas, de sua pequena família formada por esposa e filho recém-nascido. Seu filho é picado por um escorpião. Apesar de a mãe ter sugado o veneno, ambos os pais acham melhor levar o pequeno até o único médico da cidade. O médico, sabendo da condição de extrema pobreza do casal, se recusa a atendê-los. Kino pega sua canoa toda remendada em busca de pérolas perfeitas. A única forma de arrumar dinheiro fácil. Ao mergulhar, ele se depara com uma ostra gigantesca e de dentro dessa ostra, um brilho sem igual. Ao voltar para a aldeia, ali está a Pérola do Mundo. A maior pérola que jamais vira. A solução de seus problemas.

Corrupção. Seria impossível esconder de toda aldeia aquela preciosidade. Rapidamente a cidade toda já sabia também. Kino era o novo rico. Kino sabia o que havia achado. Rapidamente fazia planos. Queria comprar roupas boas, diversas outras coisas e um rifle. Seu filho já estava se recuperando com os unguentos ancestrais que seu povo praticava quando ainda eram livres. Ao olhar para o pequeno, transformou sua cria num revolucionário. Seu filho iria estudar e revolucionar as condições sociais daquela aldeia. O dinheiro que A Pérola do Mundo traria seria investido em seu herdeiro. Uma crise de consciência. Ou não.

08 - John Steinbeck - A Pérola.jpgCorrupção. Kino não chegou perto do valor que achava justo ao tentar vender a pérola. Ali habitava um monopólio de um único comprador real, que contratava falsos compradores para fingir uma concorrência. Sua revolta era gigante. Ele sabia quão valiosa era A Pérola do Mundo. Resolveu ir embora. Mas antes de ir, sofreu um ataque. Quase perdeu a pérola, sua esposa a recuperou. Mas perdeu sua pobre casa, queimada sem dó. Seu barco estava furado e perdeu a cabeça. Acabou matando um dos salteadores. Precisava fugir. Tornara-se assassino.

Corrupção. Junto com sua esposa e filho, seguiu numa fuga alucinante rumo à outra cidade. Viram-se perseguidos por três homens. Especialistas na arte da caça. Mas sua sobrevivência e de sua família, e a preservação da pérola falavam mais alto. Conseguiram vaguear até uma caverna com visão ampla. Mas seus perseguidores eram bons. Só encontrou uma solução: matar novamente, os três, envolto na escuridão da noite. Ele o faz, mas isso custa sua família. Seu projeto de futuro. A Pérola do Mundo se torna cinza e opaca, seu valor se esvai e é devolvida para o mar.

Corrupção. Ao longo dessas menos de 120 páginas, é impossível não pensar e repensar sobre como injetamos esperança em possibilidades que corrompem algumas virtudes que pensávamos serem inatas. Subornamos, inclusive, nossas boas intenções. Como somos corruptos e levianos! Somos capazes de inverter valores quando nos convencemos que “praticamos o bem” ou que tudo é “por um objetivo maior”. Somos nossos maiores sabotadores e é uma pena que, na grande maioria das vezes, só percebamos os enganos após danos irreversíveis.